a gosto 4 [2008]

 

Fotografia Martín chambi . Amigos em piquenique, cusco, 1923

 

___________________________________________

Antologia fotográfica

Desde 2004 que a Casa da Photographia de Salvador vem unindo todos os esforços para dar continuidade ao projeto A Gosto da Fotografia. Na edição de 2008 não será diferente: depois de efetiva pesquisa e significativas parcerias, o A Gosto da Fotografia – 4º Festival Nacional poderá ser visto em vários espaços culturais da cidade. Este é o melhor resultado da nossa busca por um ideal fotográfico.

Em nossa quarta edição, visto a não realização do evento em 2005, contamos com a importantíssima parceria da Pinacoteca do Estado de São Paulo – um acontecimento inédito na história da instituição – e com o patrocínio do Governo do Estado da Bahia, através de sua Secretaria de Cultura.  A partir da pesquisa curatorial do jornalista e escritor Diógenes Moura (também Curador de Fotografia da Pinacoteca do Estado) apresentamos uma mostra de nomes representativos na fotografia brasileira e alguns importantes referenciais nomes da fotografia latino-americana. Nosso esforço maior consiste em incluirmos o A Gosto no circuito nacional e internacional de importantes eventos. Com isso poderemos revelar e mostrar nossa produção, ao lado da descoberta de novos olhares.

Os fotógrafos participantes do A Gosto da Fotografia – 4º Festival Nacional nos honram com o que de melhor produziram em suas obras. São estilos e olhares distintos de uma mesma linguagem chamada fotografia, que sempre nos surpreende com suas infindáveis possibilidades.

Pierre Verger . Galeria FPV

Em nome da Casa da Photographia e de toda equipe de produção do A Gosto da Fotografia – 4º Festival gostaríamos de agradecer aos nossos parceiros, sem os quais não teria sido possível a realização dessa edição com tão importante representação e  desejamos que façam todos uma boa viagem neste imenso cenário, construindo suas próprias bússolas e descobrindo novas possibilidades de olhar.

Marcelo Reis . Diretor – A Gosto da Fotografia

_________________________________________

German Lorca . Museu de Arte Moderna da Bahia

Duas ou três coisas sobre o amanhã

Com quantas fotografias se constrói uma história? Foi a partir de uma questão ampla como esta que começamos a pensar numa “intenção” para definir a curadoria do A GOSTO da Fotografia – 4º Festival Nacional. Em seguida, o desafio seria o de conceber um projeto  desenvolvido para uma cidade como Salvador, objeto de desejo no mundo inteiro, com sua “luz flutuante” e sua tradição em ser retratada e ter no seu histórico a presença de grandes fotógrafos. O terceiro momento é o que mais me incomoda e faz pensar: por que a memória dessa cidade vem sendo tão massacrada (pelo menos nas últimas duas décadas) e toma um rumo que é apenas identificado com fatores como “alegria” e carnavalização? Somos apenas uma folia? Onde está ou onde foi embutido o verdadeiro extrato da alma baiana? Onde foi parar a construção do nosso imaginário? Enlouqueceram os outros ou fui eu que enlouqueci de vez?

Roberto Linsker . Caixa Cultural Salvador

A partir desses questionamentos o A GOSTO então foi desenhado sob a perspectiva de três núcleos: no primeiro, Identidade, continuamos a tentar descobrir o nosso próprio rosto e projetá-lo no semblante de um “outro mesmo eu”: neles estão os fotógrafos Pablo di Giulio, Ricardo Alcaide e Lucia Guanaes. No segundo, Ensaio, temos a fotografia de Hirosuke Kitamura, fotógrafo de origem japonesa que vive em Salvador e fotografa como se estivesse querendo – ao mesmo tempo – amar o que vê e fazer com que suas imagens sangrem. Finalmente o terceiro núcleo expõe o músculo de todas as questões: trata da Memória. Nele estão German Lorca e Carlos Moreira,  num conjunto de imagens que os une num só olhar para falar dos seus dias como literatura. Lucille Kanzawa, com sua poesia cotidiana que mostra a Comunidade Yuba, descendentes de japoneses que vivem em Mirandópolis (interior de São Paulo).As imagens Yuba simbolizam a nossa homenagem aos 100 anos da imigração japonesas no Brasil. Esse núcleo exibe também uma significativa representação do grande fotógrafo peruano Martin Chambi, ao lado de sua filha Julia Chambi, do neto Teo Allain Chambi e do bisneto Andrés Fernando Allain. Encerrando esse percurso dedicado à Memória está a sintonia entre Roberto Linsker, com um mapeamento feito nas comunidades de pescadores em toda a costa brasileira, e Pierre Verger, com imagens do mar, essa geografia definitiva no ir e vir da nossa história.

De minha parte, essa é uma contribuição para que o AGOSTO da Fotografia –  4º Festival Nacional se integre aos projetos dedicados à fotografia no Brasil e fora dele. Sabemos que se trata de uma conquista em longo prazo. Sabemos que estamos propondo uma formação de platéia. Mas a fotografia é assim mesmo: leva tempo, exige emoção. É como escrever um diário: precisa-se da calma de um vôo tranqüilo para que se aprenda a sentir e olhar.

Diógenes Moura . Curador

_____________________________________________

Ricardo Alcaide . Solar Ferrão

‘A GOSTO DA FOTOGRAFIA – 4º FESTIVAL NACIONAL’ MOVIMENTA CENA CULTURAL DA CAPITAL BAIANA

Em parceria inédita com a Pinacoteca do Estado de São Paulo, o festival traz gratuitamente para Salvador o trabalho de consagrados fotógrafos nacionais e estrangeiros

O maior e mais expressivo festival de fotografia da Bahia, que traz consigo a missão de inserir o Estado no roteiro nacional e internacional das grandes mostras, chega à sua quarta edição. De 1º de agosto a 21 de setembro, a capital baiana será palco do A Gosto da Fotografia – 4º Festival Nacional, que ocupará os mais importantes espaços culturais da cidade com exposições, palestra, oficinas, exibições de filmes e documentários e feiras de livros.

Promovido pela Casa da Photographia, escola e produtora baiana fundada há 11 anos, o festival apresenta este ano como destaque a inédita parceria com a Pinacoteca do Estado de São Paulo, que cedeu mostras de destacados fotógrafos latino-americanos. Pela primeira vez, a curadoria do A Gosto da Fotografia – 4º Festival Nacional será assinada pelo jornalista, escritor e roteirista pernambucano Diógenes Moura, curador de fotografia da Pinacoteca. A direção do festival é de Marcelo Reis, fotógrafo, diretor da Casa da Photographia e idealizador do projeto.

No total, o público poderá visitar nove exposições, em cartaz em períodos distintos, que contemplarão o trabalho de 13 conceituados fotógrafos. A lista, que inclui profissionais com os mais diferentes estilos, é formada por German Lorca, Carlos Moreira, Lúcia Guanaes, Lucille Kanzawa, Pablo di Giulio, Roberto Linsker, Hirosuke Kitamura, Ricardo Alcaide, a família Chambi, -nome dos mais representativos da fotografia peruana-, além do emblemático Pierre Verger, especialista na cultura afro-brasileira. Jones Moreira, outro profissional da fotografia, também participa do projeto ministrando oficinas práticas gratuitas, exclusivas para membros das comunidades do Bom Juá e Bairro da Paz.

Hirosuke Kitamura . Solar Ferrão

Hirosuke Kitamura . Solar Ferrão

NÚCLEOS TEMÁTICOS

O A Gosto da Fotografia – 4º Festival Nacional partirá de uma idéia pensada em três momentos, chamados de História e Memória, Identidade e Ensaio e suas possíveis derivações na imagem contemporânea. Esses três pontos de partida formam um mesmo núcleo de pensamento para falar de uma poética que apenas a fotografia (ao lado da literatura) será capaz de propor.

No núcleo Memória estarão dialogando as obras de dois nomes definitivos para a compreensão da fotografia no Brasil: German Lorca e Carlos Moreira. Numa série produzida entre 1950 e 2000, poderão ser observadas as mudanças de um país em seus usos e costumes, na poética do gestual e na vida cotidiana em séries (cor / preto e branco). Completando esse diálogo, a exposição Retratos e Paisagens de um século: quatro gerações Chambi, que reúne o grande fotógrafo peruano Martin Chambi (1891-1973), ao lado da sua filha Julia Chambi (1920-2003), do neto Teo Allain Chambi e do bisneto Andrés Fernando Allain.

Lucille Kaszawa . Galeria Pierre Verger . Funceb

O núcleo Identidade acentua ainda mais as questões contidas nos retratos a partir das imagens da fotógrafa brasileira radicada em Paris, Lucia Guanaes —série Transfigurações—, feitas em Salvador e do fotógrafo venezuelano Ricardo Alcaide —mostra Azul de Noturno Mar— feitas em Londres, ambas produzidas entre 2000 e 2004. Esse núcleo se completa com a presença do fotógrafo Pablo di Giulio, que com seus retratos triplos de personagens anônimos procura um rosto brasileiro que ainda não se sabe qual é.

O núcleo Ensaio apresenta Hirosuke Kitamura —japonês radicado na Bahia. Nesta série, a vida cotidiana em Salvador, seus recortes e seus gestos aparecem numa fotografia ora surreal, ora como resultado da busca de uma identidade mais existencialista.

Carlos Moreira . Museu de Arte Moderna da Bahia

PATROCÍNIOS E APOIOS CULTURAIS

Com o patrocínio do Fundo de Cultura do Governo do Estado da Bahia, o festival, que prega a difusão da cultura da fotografia, movimentará sete espaços culturais da cidade, que também assinam como apoiadores do festival. São eles: Galeria ACBEU, Galeria Pierre Verger, Fundação Pierre Verger Galeria, Galeria do ICBA, Galeria Solar Ferrão, Caixa Cultural Salvador e Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA). Em qualquer um desses ambientes, a programação dos eventos terá entrada franca, com exceção das duas oficinas programadas para moradores das comunidades do Bairro da Paz e Bom Juá/Marotinho.

Por meio da parceria firmada com a TVE (TV Educativa), algumas fotos das mostras do festival poderão ser vistas também na televisão: o cenário do programa Soterópolis no mês de agosto exibirá fotos de todos os 13 fotógrafos participantes. O Soterópolis —revista eletrônica de cultura e arte— vai ao ar às quintas-feiras, às 22h, e, além do cenário alusivo, também fará uma cobertura especial do A Gosto da Fotografia – 4º Festival Nacional .

Lúcia Guanaes . Museu de Arte Moderna da Bahia

PROGRAMAÇÃO GERAL

Exposições

Mostra coletiva com todos os artistas que participam do A Gosto da Fotografia – 4º Festival Nacional

Local: cenário do Programa Soterópolis da TVE (canal 2)

Abertura: 31 de julho de 2008, às 22h

Retratos Calados

“O que o fotógrafo Pablo di Giulio vê na série de retratos (uns solitários outros onde as mãos espalmadas falam tanto quanto os olhos fechados) é o que ele deseja ver de si mesmo? Se um retrato será sempre um auto-retrato, esta é uma questão que ultrapassa todos os limites de um sub-título, já que nesse jogo entre olhos e matéria e corpos e eus o resultado final torna-se uma expressão simbólica de como, quando e onde desejamos que o outro “se projete” aos nossos olhos.

Então temos uma narrativa em vertigem. Quem de nós é esse outro que a partir de agora pertence às nossas instruções de uso? Por que o queremos assim, banhados por essa luz entre fantasia e drama que transmuta o ambiente para pertencer íntima e exclusivamente a cada um desses personagens? A quem pertence a verdade de um retrato? Lâmina afiadíssima, um retrato pode ferir os dois lados. Desse jeito, o fotógrafo poderá sangrar. Os retratos cortam, mas não mentem”. Por Diógenes Moura.

Artista: Pablo di Giulio

Local: Galeria Acbeu (Av. Sete de Setembro, nº 1883, Corredor da Vitória)

Abertura: 1º de agosto, às 19h

Yuba – um sonho, uma vida, uma história

As fotos de Lucille Kanzawa mostram o cotidiano da comunidade dos Yubas, imigrantes japoneses que vieram para São Paulo nos anos 50. Com um olhar íntimo na vida cotidiana dos Yubas, as imagens da fotógrafa percorrem os dias e as noites na comunidade; sua relação com a terra; o trabalho nas suas várias expressões; o gestual dos músculos sob o sol; o entardecer e as noites, quando, reunidos, seus habitantes se entregam aos anseios da arte. Essa mostra também é uma homenagem do festival aos 100 anos da imigração japonesa para o Brasil.

Artista: Lucille Kanzawa

Local: Galeria Pierre Verger (R. General Labatut, n° 27, Barris)

Abertura: 21 de agosto, às 19h

Pierre Verger e o mar

O extraordinário olhar do fotógrafo francês Pierre Verger (1902-1996)  focaliza-se nesta mostra sob o mar, os seus homens, as suas velas. De acordo com Diógenes Moura, “Verger mostra o mar que ele viu, atravessou e fez surgir com sua devoção uma história de união entre homens e coisas, dor e beleza, tempo e mistério”.

Artista: Pierre Verger

Local: Fundação Pierre Verger Galeria (R. da Misericórdia, nº 9, Lj. 1, Praça da Sé)

Abertura: 14 de agosto, às 19h

Retratos e paisagens de um século: quatro gerações Chambi

Projeto exclusivamente pensado para a Pinacoteca do Estado de São Paulo, em 2006, esta exposição mostra trabalhos de quatro gerações da família do notável fotógrafo peruana Martín Chambi (1891-1973). A mostra conta com imagens inéditas de Martín, sua filha Julia Chambi (1920-2003), seu neto Téo Allain Chambi e seu bisneto Andrés Fernando Allain. As fotos dos Chambi mostram essencialmente os caminhos da família, partindo de um amplo registro do cotidiano das comunidades de  Cuzco, no Peru, estendendo-se a outras cidades do mundo.

Artistas: Martín Chambi, Julia Chambi, Teo Allain Chambi e Andrés Fernando Allain

Local: Galeria do Icba (Av. Sete de Setembro, nº1809, Corredor da Vitória)

Abertura: 5 de agosto, às 20h

Azul de Noturno Mar

Os retratos do venezuelano Ricardo Alcaide são de moradores de Londres, cidade onde vive a oito anos, feitas em seu estúdio. Sobre as pessoas retratadas por Alcaide, Diógenes Moura diz “Banhados por essa luz quase barroca que foge diante do azul, derrotam a miséria e vibram no outro lado do mundo com a sinceridade e a ternura de cada olhar; com seus corpos retorcidos em vias urbanas onde tudo passa por cima (gente, palavras, automóveis, tratados ideológicos, alcunhas politicamente corretas, muito álcool e muita droga para sentir o vento, a lua); nos signos da vida cotidiana  como parafusos tatuados; nas mãos inchadas como tema…”

Artista: Ricardo Alcaide

Local: Galeria Solar Ferrão

Abertura: 6 de agosto, às 18 h

Visitação: 7 de agosto a 7 de setembro

Morte Cerebral de uma Cidade sem Lembranças

O fotógrafo japonês radicado em Salvador, Hirosuke Kitamura,  apresenta nesta série registros da vida cotidiana da capital baiana. As imagens denotam uma fotografia ora surreal, ora como resultado da busca de uma identidade mais existencialista.

Artista: Hirosuke Kitamura

Local: Galeria Solar Ferrão (Rua Gregório de Matos, nº 45, Pelourinho)
Abertura: 6 de agosto, às 18h

Visitação: 7 de agosto a 7 de setembro

Mar de Homens

A exposição fotográfica apresenta um recorte selecionado de momentos épicos no cotidiano dos homens do mar brasileiro, valorizando a sua atividade e o seu viver através de imagens carregadas de emoção. A mostra, que já passou por capitais como Brasília, São Paulo, Curitiba e Rio de Janeiro, conta com 44 imagens selecionadas por Diógenes Moura, dentre as 92 do livro “Mar de Homens”, do próprio Linsker.

Artista: Roberto Linsker

Local: Caixa Cultural Salvador – Galeria Mirante (Rua Carlos Gomes, n° 57, Centro)

Abertura: 7 de agosto, às 19h

Olhei tanto que vi: Carlos Moreira encontra German Lorca

‘A exposição reúne imagens de dois grandes fotógrafos brasileiros que trabalham com a questão permanente da memória. A fotografia de cada um deles é a reflexão sobre os seus próprios dias; sobre as cidades onde vivem ou passam; sobre as lembranças guardadas como literatura; sobre dois olhares contemplativos diante (nesse caso) da calmaria do tempo’. Por Diógenes Moura.

Artista: Carlos Moreira e German Lorca

Local: Museu de Arte Moderna da Bahia – Galeria 3 (Av. Contorno, S/N, Solar do Unhão)

Abertura: 8 de agosto, às 19 h

Transfigurações

As fotos da exposição foram tiradas entre 2000 e 2006, quando Lucia Guanaes fotografou homens que se vestiam de mulher durante o Carnaval. De acordo com as palavras de Diógenes Moura, ‘ao desafiar a lógica e a razão de um corpo e sua alma que não é mais aquele mesmo como foi “batizado”, os travestis que aqui estão são como todos nós; como a mulher que dorme conosco ou aquela outra, que vive dentro de cada indivíduo e que nunca, nunca mesmo, será capaz de abandoná-lo’.

Artista: Lucia Guanaes

Local: Museu de Arte Moderna da Bahia – Galeria Casarão subsolo (Av. Contorno, S/N, Solar do Unhão)

Abertura: 8 de agosto, às 19h

Documentários e Filmes

As exibições começam a partir do dia 11 de agosto e seguem até o dia 14 de setembro.

Segundas e Quartas (das 13h30  às 15h30)

  • Programa 1 – Foto.doc (Carlos Moreira, Cristiano Mascaro, Cássio Vasconcellos) e Cosmos – Três Olhares Sobre a Rússia.

Local: Museu de Arte Moderna da Bahia (Av. Contorno, s/n, Solar do Unhão)

Terças e Quintas (das 13h30 às 15h15)

  • Programa 2 – 13:30 – Foto.doc (Fernando Lemos, Penna Prearo) e Nicolas Bouvier: A Coruja e a Baleia.

Local: Museu de Arte Moderna da Bahia (Av. Contorno, S/N, Solar do Unhão)

Oficinas

Fotografia Artesanal do Projeto Câmera Lata

A atividade será desenvolvida com o objetivo de incentivar a problematização, a partir de uma reflexão critica, de dimensões convencionais da vida cotidiana. A idéia é promover a (re) formulação do olhar dos participantes sobre a realidade por eles vivenciada. A oficina será gratuita e exclusiva para os moradores dos bairros onde será realizada

Coordenação: Marinilda Lima \\ Marcelo Reis

Facilitador (a): Jones Moreira

Local 1: Marotinho / Bom Juá

Data: 22 e 23 de agosto

Horário: 9h às 17h

Carga Horária: 20h

Inscrições: Coletivo Bom Juá / Marotinho . Falar com Iara.

Vagas: 20

Local 2: Bairro da Paz

Data: 29 e 30 de agosto

Horário: 9h às 17h

Carga Horária: 20h

Inscrições: CMA HIPHOP – Bairro da Paz.

Vagas: 20

Informações: Marinilda Lima (71) 9963-0462 // (71) 3491-3906

Palestra

Retrato Falado

Local: Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM)

Palestrante: Lucia Guanaes e Diógenes Moura

Dia: 9 de agosto

Hora: 14h às 16h

Feiras de Livros

Venda de livros nacionais e internacionais sobre fotografia, de vários autores, vendidos pela livraria Galeria do Livro a preços promocionais.

Local 1: Acbeu (Av. Sete de Setembro, n° 1883 – Corredor da Vitória)

Data: 1 de agosto

Horário: 19h

Local 2: ICBA (Av. Sete de Setembro, n° 1809 – Corredor da Vitória)

Data: 5 de agosto

Horário: 20h

Fotógrafos Participantes

Andrés Fernando Allain

Nascido em Cuzco, em 1977, Andrés Fernando Allain é o bisneto de Martín Chambi, representante da quarta geração dessa família peruana de fotógrafos. Assim como seus ancestrais, também retrata a cultura e a vida peruana em suas fotografias.

Carlos Moreira

Nascido em 1936, Carlos Moreira fotografa a cidade de São Paulo há mais de 40 anos. Atualmente, orienta grupos de estudos de jovens fotógrafos e ministra cursos regulares de linguagem e história da fotografia no M2 Studio, fundado junto com Regina Martins, em 1990.

German Lorca

Autodidata, o paulista German Lorca iniciou sua carreira nos anos 40. Em 1952, ganhou o Prêmio Alexandre Del Conde, na Argentina. Hoje, divide-se entre as fotografias pessoais e as publicitárias, sendo o proprietário do Estúdio Lorca (SP).

Hirosuke Kitamura

Nascido no Japão, em 1967, Hirosuke Kitamura começou a fotografar em 1995, dois anos depois de se mudar para o Brasil. Em 1997, obteve o primeiro lugar no Concurso “Bahia de Todos os Ângulos” promovido pela Rede Bahia de Televisão.

Julia Chambi

Filha de Martín Chambi, Julia Chambi (1920-2003) nasceu na província de Sicuani. Única entre os irmãos a se dedicar à fotografia, Julia também se especializou em retratos de personagens da vida peruana, produzidos em estúdio, em fotos para casamentos e até para documentos pessoais.

Lucia Guanaes

Nascida em São Paulo, Lucia Guanaes vive em Paris desde 1977. Desde 1986, desenvolve um trabalho fotográfico autoral. Dez anos depois, a fotógrafa se apega à cidade de Salvador e realiza o CD-ROM Au cœur de Bahia (No coração da Bahia), que recebe o Grand prix Möbius América Latina (1999) e o Prix Spécial du Jury (Möbius International 2000).

Lucille Kanzawa

A paulista Lucille Kanzawa iniciou suas incursões fotográficas em 2002. Em 2004, recebeu a Menção Honrosa no I Concurso Riguardare de Fotografia “Um olhar atento sobre São Paulo”. No ano seguinte, sob a curadoria de Luis Tripolli, foi premiada com o segundo lugar no concurso “Universo Familiar” promovido pelo Centro da Cultura Judaica.

Martín Chambi

Primeiro fotógrafo indígena latino-americano, Martín Chambi (1891-1973) nasceu numa pequena aldeia dos Andes, no Peru. Ao longo de muitos anos, fotografou cenas da vida cotidiana dos povos locais, várias imagens de Cuzco e das paisagens andinas, além de sítios arqueológicos.

Pablo di Giulio

Nascido na Argentina, Pablo Di Giulio já participou de mais de 10 exposições individuais. É especializado na reprodução de obras de arte e em retratos, além de trabalhar para as principais galerias de arte e museus de São Paulo.

Pierre Verger

De renome internacional, o francês Pierre Verger (1902-1996) é uma das maiores referências da fotoetnografia brasileira. Mudou-se para o país em 1946, estabelecendo-se em Salvador, quando se tornou especialista na cultura afro-brasileira.

Ricardo Alcaide

Ricardo Alcaide nasceu na Venezuela, em 1967. Em 1993, ganha o Primeiro Salão Pirelli de Jovens Artistas, no Museu de Arte Contemporânea Sofia Imber de Caracas. Nesse mesmo ano, embarca para a Inglaterra, onde passa a fazer editoriais de moda. Em 1995, passa a fazer parte da Associação dos Fotógrafos de Londres, começando, assim, a sua participação em diversas mostras.

Roberto Linsker

Nascido em 1964, Roberto Linsker ganhou, em 2003, o prêmio “Picture of the Year 2002” entregue pela National Geographic, em Washington. Tem imagens nos acervos da coleção MASP-PIRELLI e do MAM-SP. Como editor e fotógrafo, publicou em 2006 Mar de Homens e O Mar é Uma Outra terra.

Teo Allain Chambi

Nascido em Cuzco, em 1957, Teo Allain Chambi é o neto de Martín Chambi. Assim como o avô, possui muitas fotografias que retratam o mundo mágico dos Andes peruanos, paisagens e costumes ancestrais, como a festa da Virgem Del Carmen, em Paucartambo, ou o Santuário Histórico de Machu Picchu.

Marinilda Lima

Nascida em Minas Gerais, mas, baiana por convicção e devoção. Antropóloga e pós-graduada em Gênero & Políticas Públicas pela Ufba, Marinilda é idealizadora e coordenadora do módulo Cultura e Dinâmica Social do projeto CÂMERALATA – Foto-Antropologia na Construção de Cidadania.

%d blogueiros gostam disto: