imprensa

Hommage à Escher . Boris Kossoy

 

TEXTO . DIRETOR A GOSTO

O que é a vida senão a memória?

Em mais uma edição, o A Gosto da Fotografia traz a Salvador uma série de exposições e atividades com a participação de pensadores marcantes para o cenário da cultura, retomando seu principal objetivo: trabalhar na formação de público capaz de dialogar com a obra fotográfica tão presente em nosso cotidiano artístico e social.

Nesta montagem, renova-se a determinante parceria entre o Instituto Casa da Photographia e a Pinacoteca do Estado de São Paulo, aliada ao Instituto Moreira Salles, um dos mais importantes acervos fotográficos no Brasil. Essa parceria nos ajudou a pensar um programa com exposições, encontros com pensadores da atual fotografia, além de filmes, feira de livros e oficina de fotografia artesanal, compondo uma programação que possibilitou recebermos em 2010, o apoio da OI e do Edital de Apoio a Festivais da Funarte, demonstrando assim, nosso crescimento e reconhecimento dos esforços conjuntos de toda equipe e parceiros do A Gosto da Fotografia, com objetivo exclusivo de manter um conteúdo representativo de um festival com uma calendário anual, figurando no cenário, em um momento em que a fotografia brasileira, retoma seu vigor com a criação da Rede de Produtores Culturais, como uma relevante ponte entre a fotografia para além de nossos territórios e nossa cidade, carente de projetos que reflitam sobre a necessidade e importância da difusão da produção fotográfica.

2010 também é marcado pelo retorno em nossa programação do Museu de Arte Moderna da Bahia, MAM, que abriga a mostra do fotógrafo Thomaz Farkas, em uma de suas mais significativas exposições já realizadas e única na Bahia. Temos também a participação, inédita, do Museu de Arte da Bahia, MAB, que recebe a obra de Boris Kossoy, fotógrafo e um dos mais representativos pensadores da fotografia brasileira.

Como não poderia deixar de ser, o A Gosto da Fotografia, presta uma homenagem aquele que é considerado um dos mais importantes fotógrafos, Mario Cravo Neto. Imagens produzidas pela fotógrafa Sabrina Pestana meses antes dele nos deixar, que compõem a mostra na Galeria do Museu da Misericórdia.

O A Gosto da Fotografia veio ao longo destes seis anos de vida, reunindo em Salvador, produções de grande importância para o entendimento da fotografia que passou a ser percebida para muito além da imagem que nela é impressa. Deste modo pretendemos contribuir para o diálogo que a fotografia vem possibilitando entre as pessoas que dela se aproximam.

Identidade e memória continuam sendo e sempre serão, nosso ponto de partida e de chegada para a compreensão de um pensamento sobre uma fotografia e uma produção artística, sobre um modo de perceber nosso entorno e de representar nossa cultura. Marca também nosso pensamento sobre como a memória continua viva quando por ela permeou a fotografia.

Marcelo Reis . Diretor . A Gosto da Fotografia . agosto 2010

TEXTO . CURADOR A GOSTO

Entre o gesto e o abismo

Nessa sexta edição o A Gosto da Fotografia reúne dois dos mais importantes acervos fotográficos no Brasil: Thomaz Farkas com O Tempo Dissolvido e Boris Kossoy com O Caleidoscópio e a Câmara são exposições representativas cujas imagens perpassam cerca de seis décadas e que nos levam a observar não apenas como o olhar de cada um desses artistas se manteve e se modificou durante esse período, mas, sobretudo, o que essas fotografias nos propõem como descoberta, como forma de entendermos melhor o “estilo” de cada um deles e suas presenças num mundo imagético atualmente tão frágil e fragmentado. Farkas e Kossoy, portanto, são autores que aproximam seus trabalhos do que o filósofo Vilém Flussem chama de “reconstituir a condição do gesto; avançar a favor das intenções da sua cultura.” Apresentá-los no A Gosto da Fotografia é trazer para Salvador uma proposta silenciosa a respeito do tempo-espaço onde se localiza uma memória fotográfica (e essa memória pode nos dizer muitas coisas), justamente num momento em que a cidade cada vez mais se distancia do seu imaginário histórico, se entrega ao grito carnavalizado e ergue-se rumo ao nada absoluto.

Ana Lucia Mariz, com Alma Secreta e Ricardo Teles com O Lado de Lá, também nos falam sobre essa mesma “condição do gesto”: Mariz percorreu monumentos arruinados pelo homem (que, na maioria das vezes, diz que foi o “tempo” quem os arruinou) para narrar a condição das cidades, a nossa própria condição diante do que nos pertence, nesse interminável conflito entre o que é público, o que vem a ser privado, produzindo uma série de fotografias repletas ao mesmo tempo de drama e vazio. Teles foi onde tudo se vê: foi lá na África, aqui dentro, longiperto, bem do nosso lado, bem o que somos: em Angola, no Benin, no Congo. Ou seja, suas imagens são cédulas de identidade, sem elas perderemos o nosso nome, o nosso rosto. Finalizando o núcleo expositivo, Sabrina Pestana mostra Mario Cravo Neto sete vezes dois meses antes da sua morte. Sem Ponto Final é o nome da mostra e da nossa homenagem, um ano depois.  

Para refletir sobre a imagem, sobre as inquietações da memória, sobre os acervos e suas derivações estarão ao nosso lado os pesquisadores e curadores Rosely Nakagawa e Rubens Fernandes Junior, e o filósofo Luiz Felipe Pondé. Para que não percamos o fio do começo, a “condição do gesto” o projeto OI Kabum também se junta ao A Gosto da Fotografia para levar adiante, num desafio sem fim, o grande salto que separa e une as regiões do tempo-espaço.

Diógenes Moura . Curador .  A Gosto da Fotografia . agosto 2010

O A Gosto da Fotografia na mídia

A Tarde . Salvador

fotoclubef508

CINPED

Olhavê

Carlos Felipe

Paraty em Foco

Images & Visions

Salvador Update

Ao Pé do Ouvido

CORREIO . BAHIA

Pelourinho Cultural

Salvador Updade . 2

JUS BRASIL

MULTICULTURA

Revista Brasileiros

Bahia Noticias

Denê Cultural

Portal do Servidor da Bahia

Forum Foto

A Tarde [2]

Evolução Francesa . LACOSTE

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: